Pular para o conteúdo principal

Rua escura...

Não vaz por ai...
A rua está escura, o chão está frio, tu estás descalça e só. Despida de qualquer sentimento, de qualquer pensamento, tento controlar a minha mente mas...em vão, caminhamos as duas por locais que desconhecemos completamente!
Sinto qualquer coisa a entrar dentro de mim, enrolada nos lençóis, sinto prazer, as folhas no chão encondem ramos que me ferem os pés, não sei onde estou, sinto a tua mão a acarinhar a minha face mas, sinto o vento forte que me faz cambalear. A noite está escura e quase a chuviscar, sinto o calor no meu corpo e oiço as tuas gargalhadas, os teus cabelos, o emaranhado dos cabelos nos ramos de uma árvore que balança, numa dança irritante. Sinto a tua mão e as voltas que damos na nossa valsa.
Estou aqui descalça, só, com o coração a pedir companhia, somos tantos e tão amigos, brincamos por entre as cortinas transparentes que voam com a brisa que vem do mar.
Onde estou???
Para onde vamos? Sinto o calor na minha pele, oiço as ondas a bater nas rochas, sobre a minha face começa a cair a chuva, as folhas voam, o silêncio faz um barulho ensurdecedor!!!
Vem meu amor, vamos contemplar a beleza que nos envolve, onde deixei as minhas roupas, os meus sapatos, onde me perdi?
Só quero estar só não peço mais nada, adoro a maneira como me olhas, é  como se os nossos corpos se unissem. Onde...como, não sei, talvez.
Não...o que se passa com este labirinto de pensamentos? Adoro sentir a tua respiração no meu pescoço, não vejo nada, ninguém me deixa como tu, o ar parece sufocar-me, sinto os ramos a arranhar as minhas pernas, sinto as tuas mãos nas minhas mãos, sinto a chuva...não sinto nada, não vás  por ai!!!!
Ramgi Brito
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Adeus...

Quando abri os olhos a imagem era turva mas, tu estavas lá mais umas vinte caras que eu conhecia. Parecias triste outros sorriam, alguns olhavam no vazio o ambiente era pesado, não existiam crianças a brincar, nem cães a ladrar, o cheiro era estranho estava com dificuldade em perceber o que se estava a passar, as imagens continuavam turvas. Via ao longe mais uns quantos vultos desfocados mas ao mesmo tempo conhecidos, seria mais uma das minhas muitas reuniões?
Ao fundo ouvia um grupo a contar anedotas, mas sempre com umas lágrimas como pano de fundo, quando comecei a olhar mais perto dois vultos contavam uma história que me era conhecida, tu continuavas ali sempre sem olhar ou falar para mim.
Eu apenas estava ali sem perceber, sem sentir, sem falar, apenas estava ali a observar. Lá fora chuvia como se o mundo fosse acabar, entravam algumas pessoas, elegantes mas... tristes, não conseguia perceber o motivo de tanta tristeza seria pela chuva, ou pela ausência de sol.
Voltas e voltas …

Será...

Existem momentos em que a vida parece congelar, em que os sentimentos deixam de fluir de forma natural.
Existem momentos em que deixo de ser eu, de pensar em todos aqueles que juntos, justificam a razão da minha existência.
Não existe regra, não existe caminho, não existe choro. Quero voar. quero nadar, quero correr, quero ser eu, quero viver!!!
Sorrir para não chorar, dizer tudo o que me vem à cabeça para ver o teu sorriso, para me chamares tolo, para dizeres que eu não existo.
E será que eu existo????
Será que consegues ver a minha transparência, gosto de sentir o vento provocado pelos meus pensamentos, gosto de sentir os teus lábios a tocar os meus, gosto de ver o teu sorriso, gosto da forma natural como me agarras, gosto de viver a dois, gosto de sentir a dois, de passear a dois, de sorrir em grupo!!!
Gosto de viver mas...será que consigo viver???
Gosto de ver os palhaços no circo, pois representam aquilo que sinto diariamente, sem mascara, sem gargalhadas, sem publico, apenas tu …

Conversas...

Conversa a 2

I
A Dois

Olá estás triste???

Não posso ver os teus olhos, nem sentir a tua respiração mas...a forma como passas e repassas tudo o que consegues ver, diz-me que apenas estás aqui porque não consegues estar onde querias. Estás só apesar de teres companhia na divisão ao lado, precisas de falar de gritar e não o fazes. Não o fazes porque estás fechada dentro de ti, como um pequeno armário e o pior, é que procuras diariamente a chave e não a encontras.
Vai fazer um chá, para mim pode ser de limão com mel, se não tiveres não faz mal, tráz um copo de água.
Agora senta-te e olha para os meus olhos, eles não vão a nenhum lado sem os teus e podes começar a falar.
Eu sei que não é fácil, pois não nos conhecemos de lado nenhum. Mas eu sei que tens estado desse lado, sei que os meus textos te fazem chorar, sei que pensas que eu sofro, pela maneira como as minhas palavras se unem em textos um pouco tristes mas não, muitas das vezes estou a pensar em ti e no teu sofrimento.Perguntas com…