Pular para o conteúdo principal

Postagens

Fui...

Existem momentos em que perdemos o chão, mas temos que arranjar força para continuar a andar.
Existem momentos em que perdemos o ar, mas temos que arranjar força para continuar a respirar.
Existem momentos em que perdemos tudo, e temos que voltar a nascer.
A vida é dura e não nos permite viver como queremos, apenas podemos imaginar o que seria a nossa vida se podessemos viver.
Olho em vão para o infinito à procura de como seria, como queria , como poderia ser. Olho mas não vejo nada, apenas um tremendo aperto no peito, vasculha os meus sentimentos, um sentimento amargo, irritante, que me invade, que me dá vontade de fugir, de me agarrar aquele que seria o meu momento.
Todos temos aquele momento, que passa uma vez em cada década, quando passa, quando não fica preso na curva da falta de coragem, todos temos aquela coragem mas...não percebemos qual o momento exato para a utilizar.
Não vou chorar, pelo menos para fora, não vou gritar, vou simplesmente cair, ficar de joelhos no chão e pas…
Postagens recentes

Será...

Existem momentos em que a vida parece congelar, em que os sentimentos deixam de fluir de forma natural.
Existem momentos em que deixo de ser eu, de pensar em todos aqueles que juntos, justificam a razão da minha existência.
Não existe regra, não existe caminho, não existe choro. Quero voar. quero nadar, quero correr, quero ser eu, quero viver!!!
Sorrir para não chorar, dizer tudo o que me vem à cabeça para ver o teu sorriso, para me chamares tolo, para dizeres que eu não existo.
E será que eu existo????
Será que consegues ver a minha transparência, gosto de sentir o vento provocado pelos meus pensamentos, gosto de sentir os teus lábios a tocar os meus, gosto de ver o teu sorriso, gosto da forma natural como me agarras, gosto de viver a dois, gosto de sentir a dois, de passear a dois, de sorrir em grupo!!!
Gosto de viver mas...será que consigo viver???
Gosto de ver os palhaços no circo, pois representam aquilo que sinto diariamente, sem mascara, sem gargalhadas, sem publico, apenas tu …

Ficar ou partir...

Não sei o que pensar, não sei o que fazer, o que me resta é caminhar mas...não me apetece caminhar pois ao caminhar o pensamento esvoaça no mesmo sentido. Não sei se é o sentido que eu quero, nem sei se é o pensamento que eu quero. Estou perdido entre uma caminhada e um pensamento.
Não sei se não, mas quero pensar que sim.
Não é fácil acompanhar, um pensamento magoado à partida, pensei em sentar-me e deixar fluir tudo mas, esse tudo magoa, e não existe nada mais forte que o pensamento que consegue infligir dor.
Apenas consigo partilhar essa dor com a minha caminhada mas, estarás tu a pensar na dor que me corrói??
Estou preso numa espécie de gaiola sem grades, porque não solto esta corrente e simplesmente vou?
Não é fácil, não é de resposta direta de certeza infinita!!!
Quero apenas ficar aqui, fechar os olhos e não dizer nada, não sentir nada, quero apenas ficar aqui...

Espaço...

Quando sentes o teu espaço invadido, quando sentes que quase respiram por ti, que caminhas numa rua tão estreita que o teu olhar roça nas paredes!
Não é fácil pedir para seres tu, para víveres contigo.
Todos te olham mas ninguém te observa, custas a respirar, tens dificuldade em caminhar, não é fácil, não seres tu dentro de ti.
Olhas para o oceano, que te guia ao infinito, as ondas respondem ao teu chamamento, e borbulham numa dança repetitiva, de sucessivos olás e adeus.
Queres mais que isso, queres sentir, que fazes parte daquele oceano, que podes envolver o teu corpo nu nas ondas, e cair na areia, que se quiseres podes ficar ali para sempre, tu o mar, o mar e tu!!
Não vale a pena resistir ao chamamento do mar, o mar que é vida, o mar que te leva e te liberta de sentimentos confusos, que te trás de volta e te faz sorrir, abraçada à areia fina.
Caminho pelas ruas, estreitas com a outra metade do meu ser, com as mãos tremolas e o pensamento vazio, despojado de tudo, ou quase tudo!!!
C…

Conversas...

Conversa a 2

I
A Dois

Olá estás triste???

Não posso ver os teus olhos, nem sentir a tua respiração mas...a forma como passas e repassas tudo o que consegues ver, diz-me que apenas estás aqui porque não consegues estar onde querias. Estás só apesar de teres companhia na divisão ao lado, precisas de falar de gritar e não o fazes. Não o fazes porque estás fechada dentro de ti, como um pequeno armário e o pior, é que procuras diariamente a chave e não a encontras.
Vai fazer um chá, para mim pode ser de limão com mel, se não tiveres não faz mal, tráz um copo de água.
Agora senta-te e olha para os meus olhos, eles não vão a nenhum lado sem os teus e podes começar a falar.
Eu sei que não é fácil, pois não nos conhecemos de lado nenhum. Mas eu sei que tens estado desse lado, sei que os meus textos te fazem chorar, sei que pensas que eu sofro, pela maneira como as minhas palavras se unem em textos um pouco tristes mas não, muitas das vezes estou a pensar em ti e no teu sofrimento.Perguntas com…

O teu olhar

Quando vi o teu olhar, o meu pensamento viajou pelos quatro cantos do mundo. Dizia tanto sem falar, sem tocar, sem abraçar. Como é possível sentir tanto em tão pouco tempo, a raiz que nos faz ficar e sentir embalados pelo nada que é tudo. Olho vezes sem conta e aprecio o teu olhar, tento invadi-lo mas tu não deixas, aquele olhar é teu, és tu, tu e o meu desejo pela posse de um segundo do teu olhar.
Posso tentar contar-te uma histórias de infância sobre duas crianças, que sem o dizer prometeram amar-se para sempre, apenas com um olhar. Posso contar-te uma história de dois velhinhos, que no leito da morte, se despediram sem palavras, apenas com um olhar. Posso contar-te uma história que o vento levou numa garrafa de vidro, sobre dois amantes que da última vez que cruzaram o seu olhar, disseram que era para sempre, posso contar-te uma história sobre o teu olhar, sobre o efeito que ele tem sobre mim, mas... tu não fazes parte da minha história, apenas fico com uma coisa... O teu olhar!!…

Adeus...

Quando abri os olhos a imagem era turva mas, tu estavas lá mais umas vinte caras que eu conhecia. Parecias triste outros sorriam, alguns olhavam no vazio o ambiente era pesado, não existiam crianças a brincar, nem cães a ladrar, o cheiro era estranho estava com dificuldade em perceber o que se estava a passar, as imagens continuavam turvas. Via ao longe mais uns quantos vultos desfocados mas ao mesmo tempo conhecidos, seria mais uma das minhas muitas reuniões?
Ao fundo ouvia um grupo a contar anedotas, mas sempre com umas lágrimas como pano de fundo, quando comecei a olhar mais perto dois vultos contavam uma história que me era conhecida, tu continuavas ali sempre sem olhar ou falar para mim.
Eu apenas estava ali sem perceber, sem sentir, sem falar, apenas estava ali a observar. Lá fora chuvia como se o mundo fosse acabar, entravam algumas pessoas, elegantes mas... tristes, não conseguia perceber o motivo de tanta tristeza seria pela chuva, ou pela ausência de sol.
Voltas e voltas …